Posts

Segunda-feira, 04 de Julho de 2011

 

                     O meu coração tem andado dormente, a recostar-se em cada canto que encontra e que julga ser no mínimo acolhedor, mas agora, nesta exacta fracção de segundos que parecem demorar eternidades a 'tictactar', sinto que ele floresceu e se desencrostou das queimaduras que faziam dele uma superfície irregular e gretada de aspecto rústico. A cada segundo, entre a diferença de tempo desde que passo a língua nos meus lábios até eles secarem, eu mordo-os e entrelaço as mãos esperançosa com os pés a balouçar numa cadeira na qual nem o chão atinjo. O meu intermitente pestanejar demonstra a ansiedade que me toma só de inconscientemente imaginar ou de naturalmente desejar sentir o teu cheiro perfumado. É num espaço tão exíguo comparado com as vinte e quatro horas do dia, com o mês, o ano e uma vida que eu me apercebo do reflexo das tuas acções nos meus princípios, nas minhas ideias, decisões e acima de tudo nos meus impulsos. E passo os dias assim... A molhar o lábio, a secar o lábio, a morde-lo e a interlaçar as mãos enquanto ouço o meu coração palpitar descontinuamente só por saber que vou ver a tua sombra. Balouço os pés ritmicamente e pestanejo com alguma rapidez para não te perder de vista. E isso basta-me... Saber que algo existe, unicamente porque vi uma sombra. A tua.

 

choose love

publicado por sawyer às 23:26