Posts

Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2009

 

(acompanhamento musical - clica aqui)

 

Estive de luto. A ver a água correr. Ora ímpia ora imaculada, mas sem início nem fim. Questiono-me como é que existe uma adesão tão vulnerável entre as partículas de água, sendo que o mesmo sucede com tudo o que se impõe ao longo do relógio.  

Eu sopro e faço soar a minha voz trémula conforme a Tua e parece-me sempre tão fraca e inconsciente ao longo da melodia que já não sei mais se hei-de de me tomar por imponente no saudável ciclo vicioso que representas. Conjuntamente com a minha voz, deixo fraquejar as minhas pernas e olhos que mal aguentam o foco de escuridão ao qual a minha mente associa o monstruoso sentimento – o medo. Sei que consigo ser tão nostálgica sem precisar sequer de ter motivos para o ser, mas só sendo-o sinto-me como não necessitasse de qualquer remendo de razão. Será que não sou assim tão feliz ao Teu lado como alguma vez o poderia julgar? Ou será que é apenas o efeito que a chuva provoca na minha mente ao juntá-la à dor? Eu não sei…  

A coerência não quer nada comigo e a correcção acabou de partir para bem longe e não deixou aviso de quando voltaria para junto das minhas palavras onde quer que seja que eu as projecte. E Pai, eu não gosto de ser Humana; de ser terrena. Descobri hoje de que não gosto de pertencer ao mundo e ter de obedecer à força da gravidade que me mantém acorrentada a esta prisão que a vida é. Mas mesmo assim poderia eu estar do outro lado… Contigo? Já Te disse… “Eu tenho medo, Papá” Medo de que as correntes reduzam e o meu espaço entre o corpo e terra seja cada vez mais exíguo e a vida me leve! E porquê? Porque sei que o impacto será tremendo. E aí irei morrer… para ir para onde todo o receio da minha vida me encaminhou; para ir para o vazio; para ir para o local onde o outro me espera de garras afiadas pronto para rir da minha cara e me fazer gritar de dor e pânico; para ir para onde o medo realmente reina nas chamas que me consumirão e a minha alma sucumbirá… E é por isso eu que tenho medo.  

Mas como irei eu encontrar a direcção hoje se receio que venhas amanhã, Papá? Não me deixes sozinha, por favor… Peço-te.

 

Perdoa-me, Papá… Não me leves hoje.

 


Agradecimento: João Almeida

publicado por sawyer às 22:18
música: Manchester Orchestra

...
Acho que vou deixar de escrever... os meus textos ao lado dos teus são totalmente eclipsados... Tu nasceste com este dom. Este e muitos mais.
Acredita.
Está L-I-N-D-O! ;)
Bonnie a 30 de Dezembro de 2009 às 22:27

Estava a passar e vi o post (mentira kk)

Simplesmente vim "saciar-me" sim porque os teus textos são o melhor para acabar o dia em beleza, é como ir a uma galeria e ver o melhor quadro do melhor pintor do mundo, onde cada traço tem um significado, cada cor um sentido, cada risco uma direcção, cada pincelada um sentimento. Enfim é assim que vejo e leio os teus textos, são magnificos. Agora nua e cruamente te digo que és uma artista. :D

Não digo para continuares assim porque isso e o que todos dizem, digo-te antes o seguinte supera-te a cada um que escreves. ;)



Ly minha escritora, pintora, cantora, actriz. ARTISTA!!! Pessoa (...) [falta-me o adjectivo quando encontrar venho ca por xD]
João Almeida ( fã nº1) a 31 de Dezembro de 2009 às 00:16